Chufa. Plantei, colhi, apaixonei. Conheci dela anos atrás, quando a Neide Rigo …


Chufa. Plantei, colhi, apaixonei.

Conheci dela anos atrás, quando a Neide Rigo me presenteou com algumas batatinhas vindas da Espanha.

A chufa é originária do norte da África e do Mediterrâneo, e é cultivada há séculos. Algumas evidências apontam que ela era cultivada há mais de 2000 anos no Egito.

Temos a versão silvestre no Brasil, conhecida (e consumida) como junça no Nordeste. A chufa é um cultivar, que não dá sementes e tem batatas maiores e mais adocicadas. Pode ser considerada também uma espécie de tiririca.

O cultivo da chufa é relativamente simples, podendo ser feito em vasos. Ela ama sol pleno e solos bem soltinhos. Depois de 100 a 130 dias a planta seca e é hora da colheita.

O que mais amo na chufa é o seu sabor adocicado, entre a amêndoa e o côco. A chufa pode ser consumida crua, torrada, cozida, moída em forma de farinha ou transformada em uma bebida conhecida como horchata. Liberada para alérgicos a castanhas!

A horchata, seu “leite”, é muito popular na Espanha. Cremoso, refrescante, nutritivo, para beber gelado. Fora do Brasil existe a farinha de chufa. Ela vai tão bem no nosso clima, mas não é produzida por aqui.

Além de seu valor gastronômico, a chufa também apresenta alto teor de rica em fibras, vitaminas e minerais (como o ferro e o magnésio).

Se já plantou por aí, me conta nos comentários como foi?
.
Nome científico: #cyperusesculentusvarsativa.
#junça #chufa #guilhermeranierichufa #tiririca



Source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *